Built with Berta.me

  1. REGIME DE ½ PENSÃO

    De Marta Bernardes e Ana Rocha

    Artista Convidado Miguel Leal

  2. O Regime de ½ Pensão é um projeto de autoria de Marta Bernardes, desenvolvido em co-curadoria com Ana Rocha. Um programa de residências de profissionais das artes e pensamento em mesas de cafés, num formato continuo de produção e criação.

     

    O Regime de ½ Pensão tem como objetivo principal estreitar a comunicação entre o público e o processo de criação, trazendo de volta o artista a um dos espaços de excelência de criação, discussão e trabalho. Num espaço como o café, que sempre foi desde a Belle Époque o local de primazia de encontro entre artistas e pensadores, até aos nossos dias, transforma-se no espaço propicio para um cruzamento entre o público e o privado do fazer artístico, que desde sempre é visto como um processo que necessita de uma clausura e uma recolha num espaço fechado, longe do olhar alheio. Deste modo, propõe uma situação única entre autor e audiência, onde é oferecida uma abertura do processo criativo e um diálogo mais próximo entre as partes. Por outro lado, é de relevante importância que decorra num local público como os cafés da baixa da cidade, por deste modo promover uma diferente dinamização destes polos que sempre foram determinantes para a atividade cultural, para lá do facto de se caracterizarem já como territórios de encontro, aqui serão o local de cruzamento entre as diferentes áreas, criação, produção e apresentação. O foco é dado ao evidenciar do modo particular como estes profissionais das artes representam, transformam, retratam e traduzem a memória coletiva do local, da cidade e todo o tecido urbano à luz da contemporaneidade e do impacto que o quotidiano imprime na construção cultural e histórica do contexto. Em si mesma, a proposta comporta um ato performativo, sem intenção de cristalizar, desaproximar ou mistificar o trabalho do criador, mas antes torná-lo mais tangível e transparente. A proposta de finalizar com um percurso e visita aos diferentes locais, promove e propõe à cidade e seus habitantes uma nova visão sobre os cafés e sua pertinência histórica. Uma mesa num café, um artista trabalhando nela, gente que o visita e interpela, uma tertúlia que apetece, vidas que se cruzam: um sonho de Europa que permanece vivo como um resto de incêndio. «A Europa é feita de cafetarias, de cafés. Estes vão da cafetaria preferida de Pessoa, em Lisboa, aos cafés de Odessa frequentados pelos gangsters de Isaac Babel. Vão dos cafés de Copenhaga, onde Kierkegaard passava nos seus passeios concentrados, aos balcões de Palermo. [...] Desenhe-se o mapa das cafetarias e obter-se-á um dos marcadores essenciais da ideia de Europa.» Georges Steiner, A Ideia de Europa; Gradiva, 2005.

     

  3. A 3ª edição do Regime de ½ Pensão ocorreu de 11 a 15 de Abril de 2016, no Porto, com a residência do artista visual Miguel Leal no Café Ceuta. Ao longo de 5 dias intensivos num café do centro histórico da cidade do Porto, Miguel Leal utilizou este lugar como o seu atelier de trabalho e esse contexto específico, tanto humano como social, para criar uma obra simultaneamente “time” e “site” specific” (específico no tempo, específico no lugar).

    Durante todo o tempo de residência, Miguel Leal esteve aberto a “tomar um café” com quem o quis visitar. Assim, quaisquer indivíduos poderam-no visitar, partilhar no café, trocar ideias e experiências. A sujeição à constante interrupção é um dos elementos específicos desta residência, que tem em vista proporcionar o desenvolvimento e a troca de pensamento. Este foi o movimento que animou todo o projeto: o da aproximação do artista com a cidade e os seus habitantes.

    No final da residência, no dia 15 de abril, data que representou o momento final do programa, o público foi convidado ao café-residência, que neste caso é o Café Ceuta, para um encontro com o artista convidado, Miguel Leal, para a partilha oficial do culminar do trabalho. Dado que Miguel Leal tem uma relação com a cidade do Porto longínqua, este profissional das artes foi desafiado a estar em residência, num local não convencional/não considerado como espaço de criação e processo artístico como o Café Ceuta que tem um carácter histórico na situação geográfica e sociopolítica da cidade.