Built with Berta.me

  1. Marta Bernardes (1983, Porto) Licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, instituição na que foi docente de Artes Plásticas entre 2010 e 2012. Aprofundou o seu estudo em artes visuais e multimédia na ESNBA de Paris e mestrou-se em 2008 em Psicoanálisis y Filosofía de la Cultura pela Facultad de Filosofía de la Universidad Complutense de Madrid. Nesta mesma instituição desenvolve actualmente um trabalho de doutoramento na área da Filosofía Avanzada. Foi elemento da direcção do serviço educativo do Museo de Arte Abstracto Español, Cuenca - España e membro da coordenação de exposições da Fundación Juan March Madrid. Desde 2005 apresenta-se regularmente ao público tanto com trabalho plástico e audiovisual como com peças de pendor performativo e musical, tanto a solo como de forma colaborativa e comunitária. De entre muitos outros projectos destacam-se: "OCIDENTE" - FIAV, Nimes-Tunes, Festival Fottogrammi d'europa - Veneza e Galeria Magda Bellotti - Madrid; “SONO" (2006) Auditório do Museu de Serralves-Porto; "DÍPTICO"(2006) Museu de Serralves- Porto, "SACRIFÍCIO DE VERDADE” (2008)- Galeria MCO e Festival TRAMA; “ESCALA!" (2009) Co-Produção MUGATXOAN- Fundação de Serralves- La LAboral Gijón; "PhODA" (2009) TCA-Porto e Museo de Bellas Artes de Santander- Espanha; “RUBRO" (2009) encomenda de EGEAC- Teatro Maria Matos- Lisboa; "El puente de la Visión- Aprender a solidão" (2010) encomenda de Museo deBellas Artes de Santander; "Los límites del cine" (2011) co-produção de Cruce: arte y pensamiento- Círculo de Bellas Artes de Madrid e Museo Nacional Reina Sofía-Espanha; "BARAFUNDA" (2014) encomenda de EGEAC- Teatro Maria Matos- Lisboa; "FABULOSAS FÁBULAS EM TERRA DE NENHURES" (2014) - encomenda Fundação Calouste Gulbenkian-Lisboa; Participa regularmente, como intérprete e autora, no projecto poético " Quintas de Leitura", TCA Porto. Tem vindo a desenvolver desde 2006 uma estreita colaboração (como criadora, produtora e como formadora) com vários espaços e colectivos artísticos da cidade do Porto. É o caso de "O Senhorio"- onde desenvolveu trabalho editorial, musical e plástico; Colectivo Arco da Velha e Mezzanine - com o qual criou e realizou o projecto de intervenção no espaço - tempo públicos “Regime de 1/2 Pensão: Residências para artistas em mesas de cafés”, associação Saco Azul e Maus Hábitos, com os quais colaborou na área da programação (ex. "Tômbola Show: comissariado de artes performativas”; " ENCAJE:ONOFF” - Guimarães-Capital Europeia da Cultura 2012) e da pedagogia crítica e colaborativa ("Lápis: tecnologia de ponta"; "Ágora: escola da tentativa"; "Avesso: escola do comissariado das imagens emancipadas" e "Síncope: experiência teatral com a comunidade”- em colaboração e co- produção com 2.0 Manobras no Porto). Editou "Arquivo de nuvens" ( Cadernos do Campo Alegre, 2007), "Ulises" (na colecção Rato da Europa, dirigida por António Preto para a Pé de Mosca) e “Claviculária” (Douda Correria, 2014). É guionista do filme “Bibliografia” de João Manso e Miguel Manso, estreado no Festival Indie de Lisboa em 2013 e seleccionado para o “Portuguese Waves” no Torino Film Festival.

    Marta Bernardes

    (1983, Porto) Licenciada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, instituição na que foi docente de Artes Plásticas entre 2010 e 2012. Aprofundou o seu estudo em artes visuais e multimédia na ESNBA de Paris e mestrou-se em 2008 em Psicoanálisis y Filosofía de la Cultura pela Facultad de Filosofía de la Universidad Complutense de Madrid. Nesta mesma instituição desenvolve actualmente um trabalho de doutoramento na área da Filosofía Avanzada.

    Foi elemento da direcção do serviço educativo do Museo de Arte Abstracto Español, Cuenca - España e membro da coordenação de exposições da Fundación Juan March Madrid.

    Desde 2005 apresenta-se regularmente ao público tanto com trabalho plástico e audiovisual como com peças de pendor performativo e musical, tanto a solo como de forma colaborativa e comunitária. De entre muitos outros projectos destacam-se:

    "OCIDENTE" - FIAV, Nimes-Tunes, Festival Fottogrammi d'europa - Veneza e Galeria Magda Bellotti - Madrid; “SONO" (2006) Auditório do Museu de Serralves-Porto; "DÍPTICO"(2006) Museu de Serralves- Porto, "SACRIFÍCIO DE VERDADE” (2008)- Galeria MCO e Festival TRAMA; “ESCALA!" (2009) Co-Produção MUGATXOAN- Fundação de Serralves- La LAboral Gijón; "PhODA" (2009) TCA-Porto e Museo de Bellas Artes de Santander- Espanha; “RUBRO" (2009) encomenda de EGEAC- Teatro Maria Matos- Lisboa; "El puente de la Visión- Aprender a solidão" (2010) encomenda de Museo deBellas Artes de Santander; "Los límites del cine" (2011) co-produção de Cruce: arte y pensamiento- Círculo de Bellas Artes de Madrid e Museo Nacional Reina Sofía-Espanha; "BARAFUNDA" (2014) encomenda de EGEAC- Teatro Maria Matos- Lisboa; "FABULOSAS FÁBULAS EM TERRA DE NENHURES" (2014) - encomenda Fundação Calouste Gulbenkian-Lisboa;

    Participa regularmente, como intérprete e autora, no projecto poético " Quintas de Leitura", TCA Porto.

    Tem vindo a desenvolver desde 2006 uma estreita colaboração (como criadora, produtora e como formadora) com vários espaços e colectivos artísticos da cidade do Porto. É o caso de "O Senhorio"- onde desenvolveu trabalho editorial, musical e plástico; Colectivo Arco da Velha e Mezzanine - com o qual criou e realizou o projecto de intervenção no espaço - tempo públicos “Regime de 1/2 Pensão: Residências para artistas em mesas de cafés”, associação Saco Azul e Maus Hábitos, com os quais colaborou na área da programação (ex. "Tômbola Show: comissariado de artes performativas”; " ENCAJE:ONOFF” - Guimarães-Capital Europeia da Cultura 2012) e da pedagogia crítica e colaborativa ("Lápis: tecnologia de ponta"; "Ágora: escola da tentativa"; "Avesso: escola do comissariado das imagens emancipadas" e "Síncope: experiência teatral com a comunidade”- em colaboração e co- produção com 2.0 Manobras no Porto).

    Editou "Arquivo de nuvens" ( Cadernos do Campo Alegre, 2007), "Ulises" (na colecção Rato da Europa, dirigida por António Preto para a Pé de Mosca) e “Claviculária” (Douda Correria, 2014).

    É guionista do filme “Bibliografia” de João Manso e Miguel Manso, estreado no Festival Indie de Lisboa em 2013 e seleccionado para o “Portuguese Waves” no Torino Film Festival.